Home Colunas Dani Karasawa Yamato Cosplay Cup International 2007

Yamato Cosplay Cup International 2007

E-mail Imprimir PDF

A visão de uma juíza após o espetáculo. Após a final brasileira que aconteceu no Anime Friends 2007, lá estávamos novamente para mais um Yamato Cosplay Cup (YCC), dessa vez, com concorrentes internacionais e alguns dos cosplayers mais competentes e mais queridos do Brasil. E o nosso país, diga-se de passagem, foi representado apenas por mulheres. No entanto, essas beldades ficarão para uma próxima coluna. Aguardem, meninas.

E pensar que quase não fui até o Anime Dreams por problemas de saúde. Ainda bem que consegui estar lá e conferir por um ângulo privilegiado um dos concursos com participantes de tão alto nível e criatividade. O evento teve seus problemas de organização que foram bem menores do que os do ano anterior, mas eles ainda persistem e precisam ser combatidos para a eliminatória brasileira de 2008 e para o próximo internacional, em 2009.

Orientações e surpresas

Recebemos a informação da organização para ver as apresentações livres dos concorrentes internacionais com certa ressalva, já que eles não haviam entendido bem o que vinha a ser tal categoria no Brasil. Ledo engano. Os participantes esbanjaram criatividade e surpreenderam todo mundo.

Destaque para as apresentações livres de Ana Maria Barrio e Tânia Romero. Ambas sabiam perfeitamente bem o que estavam fazendo, como contextualizar seus personagens e tirar proveito de situações plausíveis dentro do universo que estavam inseridas. Perfeito.

Enquanto isso, no Brasil...

Falar das brasileiras e ainda mais das três finalistas é ser redundante. Andressa Miyazaki, Thaís Jussim e Simone Setti são três das melhores cosplayers do País, cada uma dentro de suas características e para quem as conhece, sabe que pode contar com surpresas tanto em apresentações tradicionais quanto nas livres. E nas livres...

Simone iniciou o show com seu Cirque du Anime. Com imagens impressas e piadas muito bem pensadas, mostrou que tem consciência de seu trabalho e entende que sua veia cômica está ali para ser explorada. Foi muito divertido!

Andressa Miyazaki que acabou levando o primeiro lugar na Categoria Livre, surpreendeu com sua expressão renovada. Caras e bocas e até dança. A armadura chegou a atrapalhar, mas o roteiro estava ali tão cheio de comicidade que foi impossível não achar o máximo. E fazer comédia com uma armadura daquela...

Thaís Jussim agora é a nossa Xuxa. Música, coreografia, tudo com direito a chuquinhas. Quem não cantou Lua de Cristal junto com essa bela mulher prateada perdeu um dos momentos mais divertidos do concurso. 

Participações especiais

Lucyana, Vinícius e Marcelo não fizeram por menos. Suas participações marcaram todos pela criatividade e pelos figurinos. Destaque para o Vinícius e seu Capitão Nascimento embalado pela música do filme.

A tradição

Na Categoria Tradicional, o espetáculo tomou proporções mais acentuadas. E aqui vão as impressões que cada cosplayer passou.

Andressa Miyazaki: foi impressionante ver a armadura de Hades entrando no palco. Os detalhes, a proporção, o material. Tudo muito bem pensado e executado. A apresentação foi assustadora, mais até do que o próprio mangá. 

Simone Setti: figurino impecável, maquiagem e peruca bem construídas. A apresentação teve uma pequena falha inesperada com o chicote, mas a idéia e o sincronismo se mantiveram.

Thais Jussim: impressionante. Roupa e armadura impecáveis. Olhos mágicos. Uma movimentação bem planejada. Deixou a todos curiosos e emocionados. Expressão corporal estava ótima também.

Ana Maria Barrio: a própria Yukari. Ana Maria sabia perfeitamente bem o que estava fazendo e sobre o que estava falando. Foi uma apresentação que resumiu muito bem uma história cheia de emoção e encantamento. Perfeita e merecedora do primeiro lugar. Foi de encher os olhos e o coração.

Constanza Roman: um pouco perdida, sem o ritmo forte que os outros competidores apresentaram.

Francisco Oliveros: sem tempo para elaborar algo mais complexo, esse participante deu o máximo de si. Mesmo assim foi inegável sua falta de planejamento.

Susana Garza: uma bela voz, figurino muito bem detalhado. Para quem é fã de CLAMP, sua apresentação mostrou a essência da Sakura de Tsubasa Chronicle.

Tania Elena Romero: uma das boas surpresas internacionais. Tania tem uma expressão surpreendente e cativou muita gente com a boa escolha de sua personagem, um figurino bem feito para a sua complexidade e sua criatividade.

E para concluir...

A Yamato está no mercado de eventos desde 2003 – e lá se foram cinco anos com muitos erros e acertos. A empresa se consolidou no setor e não é a toa que hoje promove um concurso com participantes estrangeiros. No entanto, esse meio ainda é repleto de egos e pouco pensamento profissional. O caminho está aí sem dúvida, mas é necessário pensar que bons cosplayers não estão mais no circuito nacional, justamente por não verem o profissionalismo esperado.

O palco ainda foi inapropriado para as apresentações, os juízes continuaram sem o material prévio sobre os cosplayers, era nítido o desconforto de fotógrafos e jornalistas que estavam ali para documentar o evento. São pequenos detalhes que fazem diferença e precisam ser sanados o mais rápido possível.

Pontos positivos também existiram como a permissão para efeitos especiais e o pouco atraso do concurso em si. Enfim, há muito por fazer, mas vê-se certo esforço e consciência da organização. E que venha o próximo YCC International.

Última atualização em Seg, 28 de Janeiro de 2008 07:44